Ser gordo e saudável é possível? - Alguns especialistas dizem que sim!

obesidade e vida saudável é possível conciliar!

Ser gordo e saudável é possível? Em recente polêmica sobre o assunto, especialistas se pronunciaram dizendo que sim, é possível!

Toda polêmica começou com uma campanha de uma marca de energéticos recentemente, ao publicar o vídeo de duas mulheres obesas, questionando a ditadura da magreza

"Cada dia é um novo dia para lutar contra ideias ultrapassadas, que só fazem com que as mulheres fiquem presas a um ideal de perfeição surreal", diz uma. "A gente batalha para que se enxergue beleza nas diferenças", fala a outra. 

A campanha viralizou e vários internautas passaram a criticar as modelos, dizendo que elas não eram saudáveis. O que levanta a questão: afinal, é possível estar acima do peso e ainda assim ter uma boa saúde? De acordo com especialistas ouvidos pelo canal de saúde do portal UOL, sim, é possível.

"Hoje em dia nós sabemos que existem os obesos metabolicamente magros e os magros metabolicamente obesos. Existem pessoas com um IMC (índice de massa corpórea) considerado normal, mas que têm o perfil metabólico semelhante a de um obeso", explica a endocrinologista e presidente da Abeso (Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), Cintia Cercato.
De acordo com a endocrinologista, isso ocorre, pois a obesidade é uma doença heterogênea, ou seja, não basta o cálculo do IMC para determinar a saúde do indivíduo. "Existe um tipo de obesidade que não está associado a um risco cardiovascular. Portanto, os exames de gordura no sangue, triglicérides, colesterol e resistência à insulina desses pacientes aparecem normais e eles são considerados saudáveis", afirma.

Ainda que a obesidade aumente as chances de ter alterações metabólicas, engana-se quem pensa que a quantidade de obesos metabolicamente saudáveis é pequena. Segundo Durval Ribas Filho, nutrólogo e presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia), a prevalência desses pacientes é de 6 a 35% da população obesa. "O que favorece esse metabolismo não estar alterado, mesmo com o sobrepeso, é o fator genético. Algumas pessoas não têm tendência a acumular gordura visceral [que aumenta o risco de doenças cardiovasculares]. E os saudáveis, quando comparadas com outros obesos, têm adipócitos [células que armazenam gorduras] menores."


Se a pessoa com obesidade praticar atividade física, então, a chance de ser saudável é ainda maior.

Ser gordo e saudável é possível? - Alguns especialistas dizem que sim!

 "O sedentarismo é um fator de risco para doenças maior do que a obesidade em si. Obesos que são ativos fisicamente têm menor mortalidade do que magros sedentários. A obesidade é complexa e, muitas vezes, é difícil que a pessoa consiga emagrecer, portanto, é importante que os médicos incentivem a prática de exercício físico, já que deixar de ser sedentário reduz muito o risco de doenças", diz Cintia.
Discriminação

Segundo Filho, a sociedade sempre entendeu que obesidade é sinônimo da pessoa ser glutona e desleixada. "Estamos no século 21 e ainda hoje as pessoas pensam que todo obeso come muito e não faz atividade, enquanto todo magro come pouco e é ativo", afirma.

O nutrólogo ainda diz que os pacientes com obesidade não são acolhidos pela sociedade.
"Se uma pessoa chega em uma festa e conta para outra que tem diabetes, ela é acolhida, vão recomendar um refrigerante sem açúcar, por exemplo. Mas se o obeso começa uma dieta e fala para alguém em uma festa, ele escuta que tem que deixar a dieta para outro dia."
O mesmo preconceito acontece, segundo o presidente da Abran, para quem precisa de medicamento para tratar a obesidade. "Quando um paciente precisa de remédio para hipertensão ou diabetes, ninguém faz qualquer questionamento. Mas a sociedade critica quem precisa de remédio para emagrecer", exemplifica.

Para Cintia, as garotas da campanha foram criticadas, pois, na cabeça dessas pessoas, uma modelo acima do peso não pode ser bonita e estar em anúncio publicitário. “A gente vive essa questão do bullying, da falta de respeito com quem tem obesidade e da gordofobia. Essas pessoas precisam entender que é preciso tratar o obeso com respeito, porque, a obesidade, muitas vezes, não é uma questão de escolha do indivíduo”, explica.

Tratamento

Ainda que estar acima do peso não seja sinônimo de falta de saúde, a obesidade aumenta, sim, o risco de certas doenças como as cardiovasculares e as de ossos e articulações. “Por terem mais chances de desenvolver essas doenças, esses pacientes precisam ser avaliados constantemente por meio de exames. Não existe uma regra da frequência em que devem ser feitos, mas se o paciente já tem histórico de alguma doença na família, como diabetes, ele precisa, pelo menos uma vez por ano, avaliar a resistência à insulina”, afirma a endrocrinologista.

Caso apareça alguma alteração nesses exames, aí o tratamento recomendado é emagrecer. “Se a causa daquilo é o excesso de peso, melhor do que dar remédio para a diabetes ou para colesterol, é emagrecer”, diz Cintia.

O tratamento recomendado varia de caso a caso, mas a primeira abordagem, segundo a presidente da Abeso, é a mudança no estilo de vida, que consiste em uma dieta aliada à prática de atividade física. “No caso de um paciente obeso que já tenha alguma comorbidade [doenças que aparecem ou se intensificam com a obesidade], podemos lançar mão de tratamentos farmacológicos."

Nos casos de obesidade extrema e de pacientes que não conseguem emagrecer com farmacológicos e mudança no estilo de vida, a endocrinologista afirma que há a possibilidade da indicação de uma cirurgia bariátrica.

Fonte: Uol - Estilo de Vida - Saúde



Topo