Alimentação Saudável - Alimentação para pessoas com mais de 50 anos

Alimentação Saudável - Alimentação para pessoas com mais de 50 anos

Os princípios para uma alimentação saudável são basicamente os mesmos, porém cada fase da vida merece cuidados especiais, principalmente após os 50 anos.

A alimentação para pessoas após os 50 anos deve ser direcionada em função da diminuição das atividades do organismo em geral, devendo adequar-se às condições orgânicas ou funcionais de cada individuo.

Na verdade, ela precisa ser muito rica em elementos vitais (vitaminas, minerais, enzimas, fibras) e muito pobre em produtos refinados.



Alimentação Saudável - Alimentação para pessoas com mais de 50 anos

Outra dificuldade é a adequada absorção de nutrientes pelo intestino, que algumas vezes se encontra com a flora bacteriana destruída devido aos alimentos refinados (farinhas brancas, pães, bolachas), ao açúcar (fermentação), excesso de medicamentos, de café, acúmulo de agrotóxicos e de metais pesados.

Isso tudo leva ao cansaço orgânico e à uma destruição não aparente, mas que debilita e propicia a formação de doenças crônico-degenerativas, como prisão de ventre, obesidade, doenças reumáticas, cardíacas, artrite, artrose, Alzheimer, Parkinson.

Nesta fase da vida que precede a terceira idade há uma diminuição global da atividade das células, o que leva à modificações das necessidades nutricionais. Uma dieta adequada é aquela que assegura a ingestão equilibrada de açúcares, gorduras, proteínas, vitaminas e sais minerais, alimentos ricos em vitaminas, principalmente A e C, além de água.

Uma alimentação equilibrada deve fornecer energia e todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento do nosso organismo, contendo na mesma refeição pelo menos um alimento de cada grupo; a quantidade de calorias vai variar de uma pessoas para outra de acordo com o peso, idade, altura, atividade física e estado fisiológico e/ou patológico.






Orientação dietética

Manter uma dieta equilibrada é fundamental para conservar uma vida saudável sem provocar a diminuição ou aumento de peso. Devemos ter prazer em comer o que gostamos com equilíbrio alimentar, na hora em que se sente fome real e não fome emocional.

Para evitar o intestino preso, deve-se ingerir diariamente alimentos ricos em fibras que facilitem o funcionamento intestinal, como: 
  • Verduras cruas como alface, almeirão, agrião, rúcula, escarola; 
  • Frutas cruas com bagaço, mamão, banana nanica, pera (com casca); 
  • Legumes: abobrinha, abóbora, cenoura, vagem, quiabo, jiló; 
  • Alimentos feculentos (batata, mandioca, inhame etc); 
  • Cereais integrais: arroz, pão integral, aveia; 
  • Outros: farelo e germe de trigo (com frutas, leite, sucos, feijão).
Não esquecer também de:
- Tomar de 4 a 8 copos de líquidos (água, chás, sucos de frutas, leite). Não ingerir durante o almoço ou jantar para que o líquido não ocupe o espaço que o alimento deveria ocupar no estômago.

- Realizar diariamente atividades físicas leves, por exemplo, caminhada, Thai Chi Chuan, Pilates, alongamentos e Yoga, de preferência em locais em que existam profissionais de educação física para não ganhar nenhuma lesão muscular ou óssea.

- Evitar o uso constante de laxante, pois o organismo pode se acostumar, e somente funcionar quando o remédio for usado.

- Evitar o consumo exagerado de sal, pois pode causar aumento da pressão arterial e a retenção de líquidos.

- Não ingerir muito açúcar, massas, doces para evitar excesso de peso. 

- Prefira as frutas como sobremesa, além de facilitarem o funcionamento do intestino são ricas em vitaminas.

- Ingerir alimentos ricos em ferro, tais como: fígado, rins, coração, carnes vermelhas em geral, para evitar anemia, sendo que alguns deles precisam ser evitados se a pessoa tiver colesterol elevado.

- Deve-se dar preferência a utilização de óleos vegetais no preparo de alimentos (óleo de soja, milho, algodão, girassol, azeite extra virgem) sempre em pequenas quantidades.

- Para facilitar a digestão, deve-se dividir as refeições em pequenas quantidades (em média 3 a 5 refeições por dia).

- A ingestão correta de alimentos ricos em cálcio e a vitamina D previnem problemas nos ossos e fraturas com facilidade; portanto, devem ingerir diariamente alimentos que contenham esses nutrientes, tais como: leite, ovos, queijos, coalhadas, carnes, peixe e aves. Para o aproveitamento da vitamina D é indispensável tomar sol diariamente por alguns minutos.

Para garantir o recebimento de todas as vitaminas é necessário ter uma alimentação variada e mista.

Recomendações:
 A hipótese de uma suplementação preventiva deve ser discutida com o profissional que acompanha adultos após os 50 anos. 

Exemplos de suplementos: Cálcio, magnésio, Vitamina D → para osteoporose; Vitamina E, vitamina C, betacaroteno e selênio → para Parkinson e Alzheimer; Vitamina C, vitamina B6, vitamina B12, ácido fólico → para fortalecimento do sistema imunológico; Lactobacilos → para recuperar a flora intestinal e consequentemente melhorar a absorção de nutrientes; Vitamina C e bioflavanóides → fortalecimento do sistema circulatório.





Topo