Caminhada - Cuida da saúde e ainda ajuda no combate a obesidade

aliados da saúde
Caminhada - Cuida da saúde e ainda ajuda no combate a obesidade

O simples hábito de uma caminhada diária, ajuda a emagrecer e traz benefícios para a saúde. Saiba mais lendo esta matéria!

Muita gente ainda acredita que caminhar não é uma atividade física de verdade. Nada mais equivocado. Andar é excelente não só para quem está fora de forma, mas para quem almeja bem-estar físico e mental, além de ser a porta de entrada para a corrida.

A caminhada é uma das opções mais simples e práticas para quem quer fazer exercícios físicos, cuidar da saúde e combater a obesidade. Não requer investimento financeiro e pode ser praticada por qualquer pessoa em qualquer horário.


Os benefícios de uma boa caminhada são muitos: melhora a respiração, a circulação sanguínea, a postura, previne o aparecimento de varizes, auxilia os hipertensos, entre muitas outras vantagens.

Mas se você pensa que sabe andar só porque faz isso desde criança, provavelmente se esqueceu de que vive em uma sociedade que tende ao sedentarismo, que cada vez caminha menos e que costuma usar calçados que alteram a biomecânica do pé.
“É preciso prestar atenção nas passadas, porque o caminhar errado aumenta o risco de torções, as quais podem gerar rupturas de ligamento, tendões ou mesmo problemas musculares, que acontecem não só nos tornozelos, mas em todas as articulações envolvidas no movimento da caminhada”, salienta Carla de Sá Pinto, educadora física do Hospital Albert Einstein (SP).
Mais: a tentativa (muitas vezes inconsciente) de adaptar a pisada errada também pode levar a dores e inflamações na musculatura dos pés e ao desenvolvimento de problemas posturais, gerando as famosas dores nas costas, causadas pela tensão muscular nessa região, que tenta adaptar-se aos desvios da coluna provocados durante as passadas.

Em entrevista ao portal Terra, o ortopedista Fabio Ravaglia apresentou algumas dicas que podem aperfeiçoar a prática da caminhada. Confira:

1) Evite passos largos
Cuidado com torções. Se quiser andar mais rápido, dê passadas curtas, com um intervalo de tempo menor.

2) Cuidado com a forma de pisar
Não pise com a ponta do pé ou com muita força. O ideal é aterrissar o pé no solo com o calcanhar, rotar e aterrissar a planta do pé.

3) Preste atenção na postura
Caminhe com a cabeça na altura dos ombros, contraindo o abdome e alternando entre os pés e os braços. Quando o pé direito vai à frente, o braço esquerdo vai também e vice-versa.

4) Não caminhe carregando pesos
Se a intenção é definir as pernas, caminhar com peso não é a saída. Outras opções, como a musculação, devem ser consultadas. Caminhar com pesos pode lesionar a coluna, causando dores nas costas.

5) Atenção ao tipo de calçado
Escolha um tênis que se adapte bem aos seus pés para evitar torções ou mesmo o aparecimento de bolhas. Prefira também meias com solado aderente, evitando o deslizamento dos pés dentro do tênis.

6) Beba muita água
Hidratação é essencial. Antes, durante e depois da caminhada. Prefira pequenos goles para evitar enjoos.

7) Atenção com a alimentação
Faça refeições leves antes do exercício para prevenir tonturas ou até mesmo possíveis desmaios.

8) Não exagere
A caminhada deve ser feita de forma gradual. O ideal é começar com 30 minutos, três vezes por semana, em terreno plano.

9) Não se esqueça do alongamento
O alongamento ajuda na agilidade, facilitando a caminhada. Deve-se aquecer os músculos antes e depois da caminhada.

10) Escolha o horário ideal
Caminhadas pela manhã são excelentes para estimular e preparar o organismo para o resto do dia. Nas caminhadas diurnas e vespertinas, nunca se esqueça do protetor solar. Caminhar à noite também é uma opção para quem fica fora o dia todo, mas para isso é necessário escolher lugares bem iluminados e, claro, tomar cuidado com a segurança.

Fonte: Portal Terra / Hospital Albert Einstein / Academia Sportlife


Sal Marinho - 10 benefícios do sal marinho para nossa saúde

Sal Marinho - 10 benefícios do sal marinho para nossa saúde

O sal marinho é um alimento que tem ganho muita popularidade à medida que as pessoas vão tendo mais informações sobre seus benefícios a saúde. 

O sal marinho contém minerais essenciais que o nosso corpo necessita para funcionar corretamente e ser saudável.

O sal marinho é obtido naturalmente do mar e não sofre nenhum processo de refinação. Quando se compra sal deve sempre optar-se pelo sal marinho em vez do sal ionizado ou refinado.


Conheçam agora 10 benefícios do sal marinho para nossa saúde:

1. Reforça o nosso sistema imunológico

O sal marinho ajuda a reforçar o sistema imunológico e ajuda a combater as constipações, febre e gripes, assim como as alergias e outras doenças auto imunes.

2. O sal marinho é um alimento alcalino

Desde que não tenha sido exposto a altas temperaturas o sal marinho pode ajudar a reverter o nível de acidez no nosso corpo e ajuda a eliminar o risco de contração de doenças.

3. Perda de peso

O uso de sal marinho na alimentação pode ajudar a perder peso, já que ajuda o organismo a criar sucos gástricos que vão fazer com que os alimentos sejam digeridos mais rapidamente e ajuda a prevenir que se acumulem no aparelho digestivo resultando em obstipação e ganho de peso.


4. Doenças de pele

Tomar banhos de sal ajuda a aliviar a sensação de pele seca e comichão, assim como várias doenças de pele como eczemas e psoríase. Um banho de sal abre os poros e melhora a circulação, hidrata a pele e ajuda a pele a regenerar.

5. Asma

O sal marinho é muito eficaz a reduzir inflamações no sistema respiratório.ha mesmo quem sugira colocar umas pedrinhas de sal na língua e beber um copo de água ajuda a combater a dificuldade em respirar

6. Coração

O sal marinho, em moderação, ajuda a prevenir a arteriosclerose, ataques cardíacos e infartos. A ingestão de sal marinho regula o batimento cardíaco e a pressão arterial.

7. Diabetes

O consumo de sal faz com que o nosso corpo mantenha os níveis de açúcar regulares.

8. Osteoporose

1/4 do sal do nosso corpo encontra-se nos ossos. O sal ajuda os ossos a manterem-se fortes. Ao liberar água, o corpo perde sódio, quando as reservas estão baixas, o corpo começa a libertar as reservas de sódio nos ossos, que pode levar a osteoporose. Ao beber muita água e consumir sódio em moderação ajuda a prevenir a osteoporose.

9. Espasmos musculares

O potássio é essencial para o bom funcionamento dos músculos. O sal marinho contém uma pequena quantidade de potássio e ajuda o corpo a absorver melhor o potássio dos outros alimentos. É um tratamento eficaz para as dores musculares, espasmos e caibras.

10. Depressão

O sal marinho mostrou resultados efetivos no tratamento da depressão, ajudando o corpo a lidar com o stress.

Fonte: sociedadevegan.com


Infarto - Cada vez mais assunto de preocupação da mulher

aliados da saúde
Infarto - Cada vez mais assunto de preocupação da mulher

As doenças cardíacas já são a principal causa de morte no sexo feminino

Até os anos 80, problemas no coração eram considerados “coisa de homem”. Mas o aumento do número de casos entre as mulheres nos últimos anos acendeu o sinal vermelho entre os cardiologistas, que passaram a se debruçar mais sobre o coração da mulher para entender os motivos desse crescimento.

A organização American Heart Association apontou que as doenças do coração são a causa número 1 de mortalidade no sexo feminino. No Brasil, 42% das pessoas que enfartam e morrem são mulheres e as doenças do aparelho circulatório hoje são a principal causa de mortalidade feminina.

Há 50 anos, a cada dez casos de infarto, um era de mulher. Hoje, são cinco mulheres infartadas a cada dez casos, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).


“As mulheres morrem por doenças cardíacas porque houve um certo descompasso no entendimento de que eram tão vulneráveis quanto os homens a problemas no coração”,  afirma Elizabeth Alexandre, presidente do Departamento de Cardiologia da Mulher da SBC.

Com números tão alarmantes, é mais do que necessário que as mulheres fiquem alertas à saúde cardíaca, principalmente as que já entraram na menopausa.

Nesta fase da vida, ocorre uma queda acentuada do estrogênio, hormônio que tem como uma de suas funções regular o colesterol no organismo da mulher.  A queda nos níveis do hormônio favorece o aumento do colesterol ruim e a baixa do nível de colesterol bom no sangue.
 A “gangorra” faz com que o colesterol se acumule nas artérias e interrompa o fluxo sanguíneo, facilitando o infarto.
Essas mudanças fazem da menopausa um período crítico para problemas cardíacos nas mulheres, mas a mortalidade por doenças cardiovasculares em um grupo mais jovem vem surpreendendo os cardiologistas.
“No grupo de mulheres com idade entre 35 e 44 anos não observamos a mesma redução de mortalidade que observamos em outros grupos. Esse é o foco das pesquisas no momento”, diz a cardiologista.
De acordo com a médica, foi avaliado que alguns dos fatores de risco para doenças coronarianas como hipertensão, tabagismo, obesidade, diabetes e sedentarismo são muito comuns entre essas mulheres, que não costumam se preocupar com o coração.

“O tabagismo, que se observa bastante nessa idade, é muito mais perigoso para a mulher do que para o homem. Esse é o grande fator de risco para o infarto nas mulheres mais jovens.”

A cardiologista Roberta Saretta, do Hospital Sírio-Libanês, explica que a mulher foi adquirindo esses outros fatores de risco, que antes eram “exclusivos” dos homens, por conta de uma rotina mais atribulada.
“Com a expressiva participação no mercado de trabalho e a segunda jornada em casa, o universo feminino passou a conviver com esses problemas silenciosos, como é o caso do colesterol alto, da diabetes e do tabagismo.”
A médica da SBC comentou sobre o risco oferecido pelo diabetes.

“Temos chamado muita atenção porque o risco cardiovascular da mulher diabética é o dobro do homem diabético.”


Segundo o último levantamento do Ministério da Saúde, o diabetes atinge 9 milhões de brasileiros – o que corresponde a 6,2% da população adulta. As mulheres (7%) apresentaram maior proporção da doença do que os homens (5,4%).

Avaliação médica
Se a mulher tem algum dos fatores de risco listados, além de predisposição genética, é recomendável procurar um médico cardiologista a partir dos 30 anos para fazer uma avaliação.
“A doença cardiovascular é altamente evitável e é possível fazer uma prevenção muito eficaz”, afirma a especialista da SBC.

Segundo Roberto Kalil Filho, diretor da unidade de cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, é importante desmistificar a ideia de que a mulher não enfarta e incentivar a procura por um médico especialista para avaliar a saúde do coração.
“A mulher costuma ir ao ginecologista anualmente, mas ignora que é preciso procurar um clínico cardiologista para avaliar riscos de problemas cardíacos”, disse Kalil.
No mês passado, o hospital lançou uma campanha voltada à saúde feminina, com foco na prevenção de doenças coronarianas. As iniciativas visam difundir informações sobre prevenção e tratamento correto de doenças cardiovasculares entre o público feminino.

Médicas de diferentes especialidades irão integrar o futuro serviço de avaliação do coração da mulher do hospital, incluindo especialistas em oncologia, endocrinologia, ginecologia e cardiologia do exercício.

Fonte: Bioamigo


Hortelã - Benefícios de ter esta erva em casa


Hortelã - Confira os benefícios dessa erva tão popular e os motivos pelos quais você deveria plantá-la em sua casa

Hortelã é uma erva bastante popular. Presente em balas e chicletes, drinks como o mojito, além de diversos cosméticos. Mas você conhece os poderes dessa super plantinha?

A hortelã contém antioxidantes poderosos, vitaminas A, B6, C, E, K, ácido fólico e a riboflavina. Ingerida ou apenas inalada, a planta proporciona muitos benefícios. Segundo estudo da University of Maryland, nos EUA, a hortelã tem poderes antibacterianos, antifúngicos e anti-inflamatórios.

De acordo com um recente estudo da Wheeling Jesuit University, o cheiro e o sabor da hortelã têm profundos efeitos em funções cognitivas. Isso inclui funções como raciocínio, resolução de problemas, formação de conceitos, julgamentos, atenção, e até mesmo memória.

Hortelã não é uma erva difícil de achar e nem de plantar; você pode encontrá-la fresca em qualquer supermercado ou plantá-la em um vasinho em casa.

Conheça alguns dos muitos benefícios que a hortelã proporciona:

1. Melhora a digestão

Segundo um estudo da Unesp, as espécies do gênero Mentha apresentam indicação etnofarmacológica para distúrbios gastrointestinais. Hortelã relaxa os músculos do estômago e melhora o fluxo de bile, que o corpo usa para digerir gorduras. Para melhores resultados, beber chá de hortelã.

2. Alivia a síndrome do intestino irritado

Diversos estudos revelaram que a hortelã é muito eficiente no tratamento dos sintomas da síndrome do cólon irritado. Pesquisas comprovam que cápsulas entéricas revestidas de hortelã-pimenta podem ajudar no tratamento de sintomas como dor, inchaço, gases, e diarreia.

3. Ajuda a aliviar sintomas da asma e outros problemas respiratórios

Seu aroma tem efeito benéfico, pois ajuda a "abrir" as vias aéreas. Pessoas que sofrem com asma e alergias podem se beneficiar do uso da erva. Realizar inalações com hortelã ou beber chá de hortelã pode ser bem útil para aliviar os sintomas. Asmáticos devem adicionar hortelã em suas inalações e também beber um pouco de chá. Para facilitar a respiração instantaneamente, adicione cerca de cinco folhas de hortelã em um pouco de água quente e inale.



4. Ajuda a aliviar sintomas de gripes e resfriados

O menthol que existe na hortelã é um eficiente descongestionante, além de ser um bom expectorante: ajuda a expelir muco e a diminuir a tosse. Tomar chá de menta é uma boa pedida para diminuir a dor de garganta e a tosse seca.

5. Alivia coceira e irritações da pele

A hortelã tem propriedades anti-inflamatórias e é antipruriginosa. Por isso pode ser utilizada para aliviar áreas que coçam. Quando aplicada topicamente, tem efeito calmante e refrescante em irritações causadas por urticária, hera venenosa ou carvalho venenoso .

6. Melhora a saúde bucal

Hortelã neutraliza o mau hálito e também destrói bactérias que causam cáries. Por esse motivo a erva é comumente acrescentada em produtos como creme dental, enxaguante bucal e sprays que refrescam hálito.

7. Alivia a dor

Folhas de hortelã podem aliviar dores musculares, dores de cabeça e até mesmo dores de estômago. Para relaxar os músculos, combine uma xícara de sal marinho, um terço de xícara de azeite e cerca de oito gotas de óleo essencial de hortelã. Massageie o local por dez minutos e enxague.

8. Alivia náuseas

O cheiro de óleo essencial de hortelã ou folhas de hortelã frescas pode ajudar a aliviar a sensação de enjoo e ânsia.

9. Melhora a memória

Em 2008, pesquisadores ingleses examinaram o poder da essência de menta no cérebro. Eles descobriram que a essência aumenta o estado de alerta e a memória.

10. Previne o câncer

Hortelã contém menthol, cujo poder tem sido estudado na prevenção de diferentes tipos de câncer, especialmente câncer de próstata.

Fonte: Health and healthy living


Câncer e Alimentação - 6 Alimentos essenciais no combate ao câncer

aliados da saúde
Câncer e Alimentação - 6 Alimentos essenciais no combate ao câncer

Nos últimos anos, diversas pesquisas mostraram que uma alimentação equilibrada influencia não só na qualidade de vida, mais também na sua proteção contra doenças crônicas

Alguns desses estudos focam, sobretudo, nos benefícios de determinados alimentos para a prevenção contra o câncer, uma das doenças que mais matam no Brasil e no mundo, principalmente o câncer de mama, próstata e pulmão.


Diz o médico Paulo Hoff, chefe da oncologia do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. "Sabemos por análises retrospectivas que determinados alimentos, sobretudo as frutas e verduras, quando consumidos regularmente, podem ter um efeito protetor".

O recém-lançado livro A Dieta Anticâncer-Prevenir é o melhor Remédio , escrito pela farmacêutica espanhola María Tránsito López, funciona como um guia de saúde, apresentando dezenas de alimentos que podem ser grandes aliados na prevenção contra o câncer. Todos os alimentos podem ser facilmente introduzidos ao cardápio diário.

O livro também orienta sobre o preparo dos alimentos e a quantidade consumida. Estima-se, por exemplo, que pessoas com 13 quilos a mais passam a ter mais predisposição ao câncer, principalmente o de mama e de útero. Isso porque o excesso de tecido adiposo pode alterar os níveis de hormônios sexuais, desencadeando, portanto, o surgimento das doenças.

Mas atenção: frente a qualquer suspeita da doença, é fundamental ter a orientação médica. Algumas substâncias anticâncer podem fazer mal em determinadas situações. Tome-se como exemplo, o chá verde. A bebida é um potente antioxidante, mecanismo associado ao câncer. No entanto, ela é contraindicado para grávidas e pessoas com problemas de epilepsia, úlcera gastroduodenal, insônia e alterações cardiovasculares graves.

Conheçam agora 6 alimentos que são essenciais no combate contra o câncer


 Tomate

Rico em licopeno, a substância responsável pela sua cor avermelhada, o tomate tem intenso efeito contra o câncer, inibindo a proliferação das células cancerígenas. Estudos mostraram que o consumo frequente de tomate – fresco ou cozido – é um grande aliado sobretudo contra o câncer de próstata. Isso ocorre porque o licopeno protege as células da próstata contra oxidação e o crescimento anormal -- duas características dos tumores malignos.

Estudos científicos mostraram que o consumo de alho pode reduzir o risco de desenvolver alguns tipos de câncer, como o de mama e o gástrico. Seus compostos fitoquímicos são capazes de induzir a morte das células cancerígenas por meio de um processo de apoptose – elas se suicidam – e, dessa forma, evitam a formação de um tumor.


Couve

A família das crucíferas (couve-flor, couve-manteiga, brócolis, repolho...) é uma das mais conhecidas pelo seu potencial quimiopreventivo. Diversas pesquisas mostram que esses vegetais podem prevenir contra vários tipos de tumores, como de pulmão, de mama, de bexiga, de próstata e do aparelho digestivo. O fato é que a família das crucíferas tem alta concentração de glucosinalatos, compostos que, ao se romperem, dão lugar a isotiocianatos e indóis – nutrientes com propriedade protetora contra tumores.


Vitamina C

Presente em frutas, como laranja e limão, a vitamina c pode ser usada entre as pessoas que já sofreram da doença e estão seguindo algum tipo de tratamento contra ela. Além disso, estudos indicam que a vitamina c também ajuda na hora da prevenção. Seu efeito antioxidante bloqueia a ação dos radicais livres, além de inibir a formação de nitrosaminas – substâncias cancerígenas. “Esses alimentos podem proteger o organismo contra substâncias potencialmente tóxicas”, diz Paulo Hoff.



Chá verde

A grande quantidade de catequina, um fito-nutriente do chá, proporciona grande atividade antioxidante e ativadora do metabolismo. A catequina também apresenta atividade anti-inflamatória e induz a morte de células cancerígenas. O ideal é que seja consumido uma xícara por dia na forma de infusão. Mas atenção: o chá verde é contraindicado para grávidas e pessoas com problemas de epilepsia, úlcera gastroduodenal, insônia e alterações cardiovasculares graves.



Vinho tinto

Para se proteger das agressões externas, as uvas produzem uma substância chamada resveratrol, encontrada em suas sementes e pele. Pesquisas mostram que esse composto tem propriedade antinutagênica, por isso previne contra o início do processo canceroso. É por esse motivo que o vinho tinto também se torna um aliado. O consumo, porém, dever ser moderado. A Organização Mundial da Saúde recomenda não mais do que uma taça para as mulheres e duas para os homens, diariamente.

Fonte: bemzen-estilo de vida


Emagrecer - Como perder peso de forma saudável

aliados da saúde
 Emagrecer - Como perder peso de forma saudável

Mais do que emagrecer simplesmente, hoje (quase) todos temos a ideia de viver uma vida mais saudável!

Contudo, o desejo de ficar em dia com a balança leva muita gente a adotar planos alimentares radicais que, além de resultar em carências de nutrientes, podem causar fraqueza, indisposição e até mesmo o aumento do risco de males cardiovasculares e ganho ainda maior de peso depois.

Frequentemente surgem dietas consideradas mágicas, principalmente após as festas de fim de ano e férias, que são relacionadas à rápida perda de peso, mas é importante deixar claro que isso não significa sempre emagrecimento, já que muitas vezes não há redução de massa gorda.

Geralmente são dietas difíceis de ser seguidas em longo prazo e não remetem a uma vida saudável.

Existe consenso entre os especialistas de que somente pela reeducação alimentar é que se consegue atingir e manter o peso ideal, por isso o tratamento básico do excesso de peso apoia-se na modificação do comportamento alimentar e no incremento da atividade física. Entretanto, existe uma preocupação crescente no âmbito da prevenção, trabalhando os hábitos saudáveis de vida desde a infância, porque o tratamento da obesidade é complexo e multidisciplinar (e, por isso, temos que evitar atingir esse estágio).

A endocrinologista Claudia Cozer é coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Hospital Sírio-Libanês/SP e tem os seguintes conselhos a quem que perder peso de forma saudável!

É fundamental que o indivíduo tenha uma constante vigilância na adequação do nível de atividade física e de ingestão de alimentos, além de outros fatores como apoio social, familiar e automonitorização. Obesidade é uma doença crônica que tende a recorrer após a perda de peso. O melhor é evitá-la e não tratá-la!

Evidentemente que, para obter uma perda de peso, deve-se ingerir menos calorias do que as calorias gastas. Nos últimos anos, o padrão alimentar do brasileiro, que outrora havia sido considerado nutricionalmente ideal pelo consumo de cereais, leguminosas, hortaliças e frutas e consumo moderado de proteínas e gorduras, foi aos poucos substituído pela escolha de preparações industrializadas, altamente calóricas, ricas em açúcar, sódio e gorduras, de baixo valor nutricional. 

Acrescido a isso, o tamanho das porções, tanto de alimentos quanto de bebidas alcoólicas e refrigerantes, aumentou consideravelmente.

O paciente deve conhecer o valor energético e a composição dos alimentos, saber ler o rótulo das embalagens, ter noções de preparo e proporção das refeições. O plano alimentar deve ser fracionado, os alimentos light e diet podem ser indicados no contexto do plano alimentar e não utilizados de forma exclusiva, além de respeitada as preferências individuais.



O cardápio deve seguir as indicações da pirâmide, isto é, contemplar fontes de carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e sais minerais de forma equilibrada, sem exagero nem escassez. É possível comer de tudo, mas com moderação e usando o bom senso. A dieta deve ser hipocalórica, sem a adoção de dietas muito restritivas, artificiais e rígidas, que difiram o hábito alimentar do paciente, e acabam não sendo sustentáveis.

Um déficit progressivo das calorias habitualmente ingeridas, atingindo redução de 500 a 100 kcal por dia, proporciona perdas ponderais de 0,5 a 1kg por semana. Pode também ser empregada redução calórica de 25% da ingestão habitual, desde que esta forneça todos os micronutrientes necessários.

Deve-se evitar ingestão inferior a 1.000 kcal. Elas reduzem em média 8% do peso corporal, em três a seis meses, com diminuição de gordura abdominal, mas a manutenção desta redução ponderal é dificultada a longo prazo.

Quanto à distribuição dos macronutrientes: deve-se priorizar o consumo de carboidratos complexos, ricos em fibras (produtos integrais), e restringir o consumo de carboidratos de absorção simples (produtos feitos com farinha branca ou açucares) a 20% das calorias totais, assim como priorizar o consumo de alimentos de baixo e médio índice glicêmico (tubérculos, produtos integrais), a fim de que haja regularização na secreção de insulina e, consequentemente, maior controle da sensação de fome.

A recomendação de fornecimento de proteínas é de 0,8g a 1,0g/kg do peso atual. Deve representar, portanto, de 15 a 20% das calorias totais da dieta. Para a promoção da perda ponderal, o fornecimento de gorduras deve limitar-se a 20 ou 30% das calorias totais e, preferencialmente, consumir grande parte dessa gordura na forma de ácidos graxos monoinsaturados (azeite, salmão, noz, abacate).

Deve-se ingerir 20 a 30g de fibras por dia e incentivar o consumo diário de duas a quatro porções de frutas, sendo pelo menos uma rica em vitamina C (frutas cítricas) e de três a cinco porções de hortaliças cruas e cozidas, e, sempre que possível, dar preferência aos alimentos integrais.

DICAS
  •  comer fracionado (o organismo tem que estar sempre trabalhando). Por isso, evite deixar de fazer um desjejum (mesmo que seja um iogurte ou uma fruta);
  •  evitar repetir. Coma cada coisa uma única porção (uma fatia, um pedaço, etc.);
  •  mantenha sempre as mesmas porções do que você for comer (mesmas medidas);
  •  coma de tudo, mas pouco. Restrinja os produtos mais calóricos e engordativos para 1 ou 2 vezes por semana apenas;
  •  só exclua alimentos ou grupos alimentares com orientação médica;
  •  evite dietas com menos de 1.200 kcal/dia;
  •  beba bastante liquido: 2L/dia;
  •  exercite-se.
Fonte: coracaoevida.com.br


Dieta - Cinco alimentos que você deve evitar comer se estiver neste processo

Dieta - Cinco alimentos que você deve evitar comer se estiver de dieta

Se você está tentando entrar numa dieta para ter uma vida mais saudável, existem alguns alimentos que devem ser evitados para auxiliar você a começar esse processo.

De nada adiantará se você também não alterar sua alimentação de forma criteriosa, até porque alguns itens industrializados que parecem saudáveis, na verdade não são.

Além desses, existem outros alimentos que devem ser evitados por quem quer emagrecer e ter uma alimentação mais saudável., mais vamos relacionar aqui os 5 mais comuns!


Evitando as comidas abaixo, você entra no caminho para uma alimentação saudável - seu peso e saúde vão agradecer!
Pão branco  

É um alimento muito comum e econômico para as despesas, mas a verdade é que ele não possui nenhum valor nutricional. Em vez disso, o pão branco contém uma grande quantidade de açúcar e não tem capacidade de manter as pessoas satisfeitas. Mesmo os pães de trigo podem conter mais açúcar do que os de grãos. Como alternativa, você pode substituir seu pão branco por grãos integrais ou pão integral, quando for possível; e, no caso dos sanduíches, por folhas de alface ou tortilhas de grãos inteiros;
Frituras  
A maioria das pessoas tem a noção de que as frituras não são saudáveis e devem ser evitadas sempre que possível. O problema disso é que muitas pessoas associam as frituras aos restaurantes fast food e não percebem que consomem também em suas residências. Evite frituras em qualquer refeição e considere assar ou grelhar o alimento como alternativa. As frituras não são nutritivas e podem causar pressão arterial e aumentar os níveis de colesterol;
Molhos para salada à base de creme de leite 
As saladas são uma boa alternativa para quem quer entrar em uma dieta ou está tentando ter uma alimentação saudável. Elas são muito nutritivas e oferecem geralmente um número baixo de calorias. No entanto, elas podem se tonar insalubres se estiverem cobertas com molho feito com creme de leite. Isso porque esses tipos de molhos contêm uma grande quantidade de gorduras e calorias. Além disso, pode haver mais calorias no molho do que na salada inteira. Em vez disso, tente comer saladas à base de óleo vegetal, como o azeite de oliva, que, além de ser mais gostoso, é menos calórico e mais saudável;
Arroz branco 
Um ingrediente muito comum em diversas receitas. Muitas pessoas afirmam que o arroz é saudável, mas na verdade, o arroz branco pode fazer com que seu corpo armazene energia quando você não precisa, além dele não possuir valor nutricional. O arroz integral é a melhor opção quando se trata de arroz, porque é cheio de fibras, vitaminas e nutrientes. Ele também proporciona uma sensação de satisfação por mais tempo. Assim, você fica menos propenso a comer demais; 
Xarope de milho de alta frutose 
Existe muito debate sobre se o xarope de milho de alta frutose é bom ou ruim. No entanto, ele pode fazer com que você tenha mais  vontade de comer açúcar ou alimentos açucarados e ganhe peso mais rápido. E se alimentar desse tipo de comida, rica em xarope de milho, pode te levar a ter diabetes e outros problemas de saúde. A melhor opção é evitar esses alimentos e substituí-los por sobremesas mais saudáveis, como frutas frescas.
Fonte: ecyle


Osteoporose - Identificando os sintomas da "ladra silenciosa"


Osteoporose, conheça os sintomas para melhor se proteger!

Os sintomas, muitas vezes, levam anos para serem percebidos. É uma doença com um apelido assustador: “a ladra silenciosa”, como a classe médica costuma chamar a osteoporose.

A doença  pode progredir durante anos sem sintomas – até diminuir a força dos ossos e ocorrer a primeira fratura, uma consequência bem mais clara do seu avanço.


A osteoporose acontece quando a formação do osso não é adequada, quando o desgaste é excessivo ou quando ocorrem as duas coisas ao mesmo tempo. Costuma ser muito citada no caso das mulheres com mais idade, mas também pode afetar mulheres jovens e também os homens.

Considerada uma doença grave, a osteoporose é diagnosticada, hoje, em uma a cada duas pessoas acima de 50 anos – mas acompanhamento médico e observação mais detalhada dos sintomas, seguidos por mudanças no estilo de vida, podem reduzir e muito o risco trazido por essa condição.

Unhas quebradiças, muitas câimbras ou dores nos músculos e nos ossos e fraturas causadas por quedas aparentemente bobas, que atingem mais coluna, bacia, punhos e costelas: tudo isso podem ser sinais da ação da osteoporose.

O melhor exame para identifica-la é a densitometria óssea, simples e indolor e cujo resultado informa quanto há de osso nos locais do esqueleto onde as fraturas por osteoporose são mais comuns.

A densitometria deve ser feita aos 50 anos, se houver pelo menos um fator de risco ou uma fratura de fragilidade prévia, ou a partir dos 65 anos, caso não tenham nenhum fator de risco.

Sobre os fatores de risco, conversamos com a médica Ana Hoff, endocrinologista e responsável pelo Centro Integrado da Saúde Óssea do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Risco aumentado
Algumas pessoas estão em grupos com maior probabilidade de desenvolver a osteoporose. Esses são os fatores de risco mais comuns:


Estar na menopausa
Isso porque o estrogênio, hormônio feminino, é extremamente importante para formação e manutenção da massa óssea. Na infância e durante a puberdade, ocorre a aquisição da massa óssea, que está diretamente relacionada com uma boa função ovariana – ou seja, com um bom nível de estrogênio. Portanto, a puberdade tardia e doenças que afetam a função ovariana e o ciclo menstrual resultam em um menor pico de massa óssea. “Durante os primeiros 5 anos após a menopausa, a mulher pode perder aproximadamente 2% de massa óssea/ano, resultando assim em osteoporose”, explica a dra. Ana Hoff. A falta de estrogênio nesta fase é a razão principal da perda óssea pois há um estímulo das células chamadas de osteoclasto para reabsorverem o osso. “Portanto, é importante, principalmente se a mulher tiver outros fatores de risco, avaliar a massa óssea no início da menopausa para saber sobre a reserva óssea e o risco de que a perda decorrente da deficiência de estrogênio”, diz a médica.

Ser alta e magra, ter a estrutura do corpo delicada
A estrutura física também é um risco para a osteoporose, pois mulheres magras e pequenas possuem ossos menores e uma reserva óssea menor. Então, quando entram na menopausa, o risco de desenvolver osteoporose é maior do que em mulheres maiores e com um índice de massa corpórea maior. “Isso também é um alerta para mulheres caucasianas e asiáticas, que tendem a ser menores”, diz Ana Hoff.

Idade avançada
Fazer a densitometria óssea ao completar 50 anos (quando se está entre as pessoas com mais fatores de risco) ou a partir dos 65 anos (quando não há fatores de risco) é a melhor prevenção, já que o passar dos anos pode, por diversos motivos, permitir a perda óssea.

Dieta pobre em cálcio
A alimentação é um aspecto importante para evitar e mesmo controlar o avanço da osteoporose. O cálcio, muito lembrado quando se fala no assunto, é essencial para a mineralização óssea e para funções importantes como coagulação e contração muscular.
“Se a ingestão de cálcio não é suficiente, o próprio organismo [através da ação do hormônio da paratireoide] retira cálcio do osso [um “armazém” de cálcio no organismo] para normalizar o nível no sangue. Portanto, se a pessoa não ingere uma boa quantidade de cálcio [1000 – 1500 mg/dia], ela pode perder osso”, explica a endocrinologista.
Essa ingestão pode acontecer por meio de alimentos como leite, queijo, iogurte e vegetais de cor verde escura. A vitamina D também é essencial – sendo que a fonte mais importante é a luz do sol. E vale lembrar: comer alimentos com cálcio e tomar sol devem ser hábitos mantidos desde a infância.

Quando a osteoporose já foi detectada, os cuidados são semelhantes – e ainda mais valorizados. É necessário iniciar um tratamento com acompanhamento médico que inclui a boa alimentação e a ingestão de cálcio (focado somente na dieta ou com um combinado de dieta mais suplementos), produção de vitamina D, exercícios físicos e ações específicas que inibam a reabsorção óssea, aumentando a massa óssea e reduzindo o risco de fratura.

Hábitos ruins ou uso de medicamentos
Fumar, ingerir bebida alcoólica excessivamente, não praticar exercícios ou usar por tempo prolongado alguns remédios como cortisona e seus derivados, alguns medicamentos para tratar convulsões, câncer e hormônios da tiroide em excesso: tudo isso influencia na composição óssea e pode agravar quadros de osteoporose.

Fonte: Coração e Vida / Hospital Albert Einstein


Alimentação Saudável - Coma mais frutas e verduras e viva mais

aliados da saúde
Alimentação Saudável - Coma mais frutas legumes e verduras e viva mais

Todos sabemos que uma alimentação saudável é fundamental para uma vida mais longa e sadia

Para tanto, uma alimentação colorida e variada é fundamental para quem quer ficar livre de problemas de saúde. 

Além da alta concentração de vitaminas, minerais e fibras, estes alimentos possuem substâncias fitoquímicas de nomes estranhos, como flavonóide, licopeno, antocianina, que são fundamentais para nossa saúde..

São elas que conferem a cor diferenciada aos vegetais e têm sido amplamente estudadas por seu efeito protetor, principalmente antioxidante, capaz de impedir o desgaste natural das células. Por isso mesmo os vegetais e as frutas são importantes desde a infância até a vida adulta.

Esteticamente, esses alimentos também proporcionarem uma pele mais bonita e saudável. Para ajudar você a se convencer a comer mais frutas e vegetais, aqui vão algumas alternativas saborosas de como incluir estes alimentos no seu dia a dia:

Frutas

- Purês de frutas dão ótimas sobremesas. Basta cozinhar com pouca água e introduzir, a gosto, um pouco de adoçante ou açúcar (o mínimo possível deste). Frutas também podem ser grelhadas ou assadas na frigideira com uma pitada de mel e canela, ou especiarias diferentes como nós moscada e cardamomo.

- Aposte em diferentes tipos de frutas secas e desidratadas. Picadas e misturadas entre si elas são versáteis para a hora que bater a fome nos intervalos entre as refeições.

Legumes e verduras

Alimentos altamente nutritivos e de baixo valor calórico, eles são ideais para dar volume ao seu cardápio, muita cor e se preparados da forma correta, dão sabor. Mesmo para aqueles que não gostam, podem passar a incluí-los no menu se:

- Misturá-los a alimentos como arroz e purê. Arroz com cenoura, brócolis e vagem é um bom começo. Já o tradicional purê de batata pode se tornar mais nutritivo ao incluir cenoura ou abóbora.

- Feijão também fica mais rico em antioxidantes quando cozido com abobóra e cenoura. Eles se dissolvem com o calor e o gosto se atenua.

- Salada bem gelada é o truque das cadeias de fast-food para tornar as verduras mais atraentes. Siga a onda. Vegetais crocantes, como alface, cenoura, repolho roxo, cenoura ralada ou baby carrot, são bons de se comer frios. Basta temperar com um molho bem saboroso. Se possível, coloque no congelador minutos antes de servir.

- Molho de tomate é também uma forma de incluir mais vegetal no seu dia a dia. Ele é fonte de vitamina C e de licopeno, um poderoso antioxidante.

- Coma palmito, cogumelo e aspargos, eles também são do reino vegetal. Para evitar o excesso de sal dessas conservas, invista nas versões “in natura”, cozinhe no vapor e sirva bem temperado.

- Capriche nos molhos sem aumentar as calorias. Mas ajuste a porção: apenas 2 colheres. Anote o que vale para não ganhar peso: limão, aceto balsâmico, shoyu light (com moderação devido o sódio), molhos prontos (selecione versões de até 40 calorias por colher), iogurte, maionese e ervas.

Já o azeite e os óleos vegetais, apesar de saudáveis, adicionam bastante calorias (90 por colher), e são melhores se você estiver no seu peso adequado!

- Inclua um ou dois (no máximo) dos ingredientes a seguir, controlando em uma colher de sopa, para dar mais sabor sem exceder nas calorias: carpaccio, queijo, ovo, kani, atum, salmão, fruta picada, castanhas.

- Para iniciar as pazes com os legumes, grelhe alguns deles em frigideira quente e sirva com shoyu diluído. Abobrinha, berinjela, tomate, cebola, brócolis ficam ótimos feitos desta forma! Ou então rale e refogue com caldo de legumes, tempere com um toque de ervas e pimenta.

- Inicie o consumo de vegetais aos poucos, misturando no arroz, incluindo no recheio da omelete, ou adicionado em preparações com carne ou frango refogados. Vale ainda incluir na sopa ou no purê – no início batidos ou amassados.

Consuma mais alimentos vegetais e tenha saúde e disposição para curtir a vida, além de reforçar a beleza.

Fonte: Guia da Nutrição


Topo