Dieta - Sempre uma dúvida, cortar mais carboidrato ou gordura

Dieta - Sempre uma dúvida, cortar mais carboidrato ou gordura
Dieta - Sempre uma dúvida, cortar mais carboidrato ou gordura

Na hora de escolher uma dieta, uma dúvida é recorrente: cortar mais carboidrato ou gordura?

De acordo com um estudo do Instituto Nacional da Saúde (NIH, na sigla em inglês), dos EUA, não há mais motivo para um ponto de interrogação. A pesquisa, divulgada ontem na revista “Cell Metabolism”, diz que restringir a gordura na alimentação pode levar à maior perda de gordura corporal do que uma dieta com poucos carboidratos.

O trabalho se dedicou a comparar matematicamente os gramas perdidos com ambas as dietas. Para isso, 19 adultos obesos ficaram “concentrados” no Centro Clínico do NIH por duas semanas. Na primeira, os pesquisadores ofereceram a dieta com restrição de carboidratos. Na outra, o cardápio com corte de gordura.


Todos os participantes tiveram seus alimentos controlados, assim como suas taxas de perda de gordura corporal, a partir do uso de tecnologias de precisão como a calorimetria. O estudo, no entanto, não especificou qual o tipo de gordura os participantes perderam.

A eliminação de gordura na dieta durante seis dias levou a uma perda de peso de 89 gramas por dia. Já a alimentação com corte de carboidratos gerou uma perda de 53 gramas.

Segundo o autor do estudo, Kevin Hall, que pesquisa metabolismo no Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais, porém, o modelo prevê que, durante períodos prolongados, o corpo minimiza diferenças entre as dietas iguais em calorias, mas com índices distintos de carboidratos e gordura.

Nossos resultados mostraram que nem todas as calorias são iguais quando se trata de perda de gordura corporal e que não há vantagem metabólica da chamada dieta low carb sobre a dieta de baixa gordura. A queima de gordura não significa necessariamente que a pessoa perde gordura corporal, diz Hall.

O pesquisador afirma que seu estudo foi o primeiro a comparar o corte exato de calorias na dieta de carboidrato e na dieta de gordura (30%, em ambos os casos).


Hall pondera, no entanto, que o estudo contou com cardápio controlado. E que, no dia a dia, as pessoas que seguem a dieta de baixo carboidrato acabam consumindo menos calorias porque sentem menos fome. Por isso, elas podem perder mais peso:
"Nosso estudo não aborda se uma dieta é mais fácil do que a outra. É verdade que algumas dietas deixam as pessoas com menos fome. A questão é exatamente esta: o que vale não é o tipo de dieta, e sim em qual delas determinada pessoa consumirá menos calorias".
Por este viés, a nutricionista funcional Thaianna Velasco apreciou a pesquisa. Isso porque, segundo ela, a dieta de baixo carboidrato ganhou fama de ser mais efetiva, o que nem sempre é verdade:

Consumir proteína em excesso, excluindo os carboidratos, não é recomendável a todos. Esta pesquisa mostra esse ângulo, conclui a nutricionista, que gosta de balancear as dietas de seus clientes com níveis de gordura e de carboidrato, como numa experiência de laboratório.
"Aumento aqui, diminuo ali, de acordo com o gasto calórico de cada um. Também gosto de sugerir o consumo de gordura, desde que seja em quantidade adequada e de origem vegetal".
Entretanto, Thaianna observa que a quantidade restrita de participantes usada no estudo pode prejudicar suas conclusões. "Entendo que é difícil confinar as pessoas por muito tempo, mas o ideal seria ter uma amostragem maior. Também achei este intervalo (de duas semanas) pequeno, e as dietas foram mais calóricas do que eu normalmente recomendo", avalia ela.

Para Amélio Godoy Matos, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, a discussão é válida, mas é preciso ponderar que os resultados da pesquisa não devem ser considerados definitivos.

Perder peso é perder caloria. A pergunta é como chegar a esta redução de calorias, a médio e a longo prazos. E tenho visto que, na prática, os adeptos da dieta de baixo carboidrato têm mais sucesso. As pessoas comem proteína em maior quantidade e ficam satisfeitas.

Há vários estudos que comprovam esta tese. E são estudos com mais pessoas e com mais tempo de duração, destaca o médico, que participa hoje do Congresso Brasileiro de Atualização em Endocrinologia e Metabologia, que terá discussões sobre obesidade e dietas.

Fonte: globo.extra.com


Topo