Emagrecimento - Conheça mitos e verdades sobre processo

aliados da saúde
Emagrecimento - Conheça mitos e verdades sobre processo

Emagrecer é o sonho de milhões de pessoas em todo o mundo, por isso a literatura sobre o tema emagrecimento é um assunto que nunca tem fim.

Neste processo, como é comum a temas polêmicos, existem muitas suposições que se tornam verdadeiras, após comprovadas cientificamente, e muitas outras que não passam de mitos.

Em meu processo de pesquisa por este tema, emagrecimento, encontrei, uma reportagem que procura desvendar justamente quais os mitos e verdades que envolvem o processo de emagrecimento, que vocês podem conferir abaixo!


Emagrecimento - Conheça mitos e verdades sobre processo:

Abdominal elimina barriga 
FALSO. Exercícios abdominais fortalecem a musculatura, mas pouco contribuem para que a cintura diminua. Atividade física aeróbica como caminhada, corrida, natação e ciclismo é a forma mais eficiente de eliminar a gordura do abdome

Beber muita água ajuda no acúmulo de líquidos
FALSO. O corpo precisa de água para ter eficiência em vários processos do organismo e até para o emagrecimento. Além disso, beber água ajuda no bom funcionamento dos rins e do intestino. Mas quando a ingestão de sal é excessiva, a sede aumenta e o líquido se acumula. Nesses casos, a eliminação é mais demorada e pode acontecer em algumas horas ou até dois dias

Drenagem linfática e outros aparelhos de clínicas de estética emagrecem 
FALSO. Não existe comprovação científica de que esses aparelhos (fornos, ultrassom, etc.) promovam o emagrecimento. E nem mesmo a mesoterapia escapa dessa conclusão, pois sequer é reconhecida pela endocrinologia como tratamento. Quanto à drenagem linfática, ela é eficaz na remoção do inchaço acumulado nas pernas ao longo do dia, principalmente em pessoas com problemas vasculares, venosos ou linfáticos. Mas apesar desses benefícios, essa massagem não elimina gorduras

Gordura derrete 
FALSO. A ideia de que a gordura derrete como manteiga na frigideira é equivocada. A gordura é oxidada (queimada), e o produto final dessa oxidação é gás carbônico (CO2) e água (H2O). Assim, o CO2 é eliminado por meio da respiração, e a água pela urina


Comer mais rápido é igual a maior consumo de comida
VERDADEIRO. Comer devagar, mastigando bem cada garfada, aumenta a sensação de saciedade, mesmo consumindo um prato menor. Um dos mecanismos de saciedade cerebral depende do tempo de enchimento e esvaziamento gástrico, período que corresponde a uma refeição de aproximadamente 20 minutos. Assim, comer devagar permite que o cérebro receba a mensagem de que o corpo está satisfeito

Produtos integrais são menos calóricos que os refinados 
FALSO Alimentos integrais têm quase a mesma quantidade de calorias dos refinados. A vantagem dos integrais é que eles possuem fibras, conferem maior sensação de saciedade e por mais tempo, fatores que propiciam menor consumo. E não é só. Alimentos ricos em fibras possuem índice glicêmico inferior ao dos refinados que, por possuírem alto índice glicêmico, são absorvidos rapidamente, provocando sensação de fome em menor espaço de tempo. Mas cuidado: não acredite na falsa crença de que alimento integral pode ser consumido à vontade

A melhor forma de perder peso é não consumir carboidratos 
PARCIALMENTE VERDADEIRO. Estudos comparativos entre diferentes tipos de dieta (pobre em carboidratos/ pobre em gorduras/dieta mediterrânea, rica em fibras e pobre em gorduras e calorias), revelaram que a dieta pobre em carboidratos e a mediterrânea oferecem melhores resultados, com maior perda de peso após 2 anos de tratamento. Além disso, a dieta mediterrânea reduziu níveis de triglicerídeos e glicose no sangue, fazendo-o de forma mais eficaz do que as demais dietas. Por outro lado, a dieta pobre em carboidratos melhorou os índices lipídicos. Considerando essas observações, a melhor dieta deve vislumbrar não só a perda de peso, mas benefícios adicionais, respeitadas as necessidades de cada um

Para perder peso é preciso evitar gorduras
FALSO. As gorduras devem fazer parte de 30% das calorias de uma refeição balanceada, principalmente as chamadas gorduras do bem. Apesar de serem os nutrientes mais calóricos entre todos, as gorduras são fundamentais à saúde, retardam o esvaziamento gástrico e prolongam a saciedade, facilitando assim o cumprimento de um plano de dieta

Comer menos e mais vezes emagrece
PARCIALMENTE VERDADEIRO. O processo de digestão dos alimentos acarreta gasto energético, mas ainda se questiona até que ponto esse maior consumo seria significativo


Alguns alimentos ajudam a queimar a gordura 
FALSO. Não existe nenhuma comprovação científica sobre a relação existente entre a ingestão de certos alimentos e gasto de energia

Exercitar-se no verão faz queimar mais calorias 
FALSO. O gasto energético inerente ao exercício independe da temperatura

Pular refeições é uma boa forma de diminuir calorias
FALSO. Pular refeições leva a jejuns prolongados, responsáveis pelo aumento da sensação de fome na próxima refeição. Além disso, há uma redução reativa na queima calórica por escassez de alimentos, estimulando a produção de substratos energéticos compensatórios pelo fígado. Todo esse processo dificulta a perda de peso e até predispõe seu ganho

Tomar água durante as refeições engorda
FALSO. Tomar água durante a refeição pode até dificultar o processo digestivo pela diluição do suco gástrico, mas jamais é causa de ganho de peso. Ao contrário, os grandes vilões do grupo líquidos são os refrigerantes e sucos de frutas, que agregam sempre uma grande quantidade calórica às refeições

Comer carboidrato à noite engorda
FALSO. O que engorda é comer muito à noite ou em qualquer período do dia. Quando a ingestão alimentar diária não ultrapassa o gasto calórico, não há ganho de peso, mesmo que ocorra um aumento do consumo alimentar à noite. Não se gasta menos calorias à noite, pois esse processo se prolonga ao longo do dia, ainda que nos exercitemos pela manhã. E mais, conforme o tipo de atividade física, o aumento do gasto calórico pode durar por mais de 24 horas

Alimentos light emagrecem
FALSO. Conforme a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Avisa), alimento light é aquele que apresenta redução mínima de 25% de determinado nutriente ou calorias, comparado ao alimento convencional. A redução de calorias se dá pela diminuição de algum nutriente energético (carboidrato, gordura ou proteína), mas é preciso ficar atento ao rótulo do produto, pois mesmo com essa redução ele pode continuar sendo muito calórico. Como se trata de um alimento processado, açúcar, farinha ou espessantes de amido podem ser utilizados para melhorar o sabor após a remoção da gordura, por exemplo. Assim, não é porque um alimento é rotulado como light que permite maior consumo. O que acontece com frequência é que as pessoas ingerem o dobro do habitual por que um alimento é diet ou light, mas dificilmente haverá redução de 50% das calorias nesses alimentos

Cerveja engorda
PARCIALMENTE VERDADEIRO. A bebida não é tão vilã como se pensa, pois se situa entre as que contém menos calorias (cerca de 140 kcal/lata). Alguns especialistas afirmam que a cerveja não engorda e quem a consome com moderação (duas doses ao dia), tende a beliscar menos entre as refeições, sentindo menos necessidade de ingerir doces. A maior prova dessa tese são os japoneses, maiores consumidores de cerveja do que os alemães, e são prevalentemente mais magros. Entretanto, se a bebida for consumida em excesso, pode causar obesidade. Isso porque a cerveja eleva os níveis de triglicerídeos no sangue, favorecendo a formação de gordura visceral, isto é, aumenta a barriga. Além disso, quem gosta de cerveja não dispensa salgadinhos e outros tira-gostos, normalmente muito calóricos. A conclusão a que se chega é : o consumo excessivo de calorias, somado à falta de atividade física, é a causa de sobrepeso e obesidade, e não a cerveja em si

Fonte: Uol - Dieta e Boa Forma


Topo