Menopausa - Alimentos que ajudam no sintoma

Alimentos que ajudam no sintoma da menopausa
Menopausa - Alimentos que ajudam no sintoma

A menopausa caracteriza-se por um estágio da vida da mulher em que os ovários deixam de produzir os hormônios estrógeno e progesterona.

Com isso, começa a ter irregularidades no ciclo menstrual com menstruações cada vez menos freqüentes, até que cessem de vez. Ocorre geralmente por volta dos 50 anos de idade, podendo provocar alguns sintomas, como ondas de calor, suores noturnos, insônia, irritabilidade, depressão, entre outros.

Como o estrógeno é o hormônio responsável pela distribuição da gordura corporal, pela fixação do cálcio nos ossos e pelo equilíbrio das gorduras no sangue, após a menopausa ocorre o acúmulo de gordura na região abdominal, a perda de cálcio dos ossos, favorecendo o surgimento da osteoporose e o aumento nos níveis de colesterol no sangue, o que aumenta a chance de desenvolvimento de doenças cardiovasculares. 

Com base nessas informações, seguem abaixo algumas dicas que podem auxiliar na atenuação dos efeitos provocados pela menopausa.



Inclua soja no seu cotidiano

A soja contém substâncias denominadas isoflavonas, que são consideradas uma versão natural do mais importante hormônio feminino: o estrógeno. Estudos atuais apontam que os sintomas da menopausa, como, por exemplo, as ondas de calor, e o aumento da incidência de osteoporose são atenuados com o consumo de soja.

As isoflavonas também têm sido implicadas na prevenção de doenças cardiovasculares, uma vez que melhoram o colesterol dos pacientes. Pode-se consumir a soja em grão ou seus derivados, como leite de soja, tofu (preferir os enriquecidos com cálcio), farinha de soja.

Experimente usar linhaça

A linhaça contém uma substância chamada lignana, que também tem ação semelhante à do estrógeno. Com isso, ela tem como propriedade o alívio dos sintomas da menopausa.

O ideal é triturá-la a seco no liquidificador e depois guardá-la na geladeira e ao abrigo da luz, para que não perca suas propriedades. Esse pó pode ser adicionado a sucos, iogurtes, leite, saladas e até na comida. Use a sua criatividade! A quantidade recomendada é de até uma colher de sopa por dia.

Não se esqueça do cálcio!

A falta de cálcio pode provocar osteoporose, aumentando o risco de fraturas em quedas. Inclua na sua alimentação de 3 a 4 porções de alimentos que são fonte de cálcio, como leite desnatado, iogurtes desnatados (0% de gordura), queijos magros (cottage, ricota, minas, frescal, mussarela de búfala) e requeijão

Fonte: Hospital Albert Einstein

einstein.br

Emagrecer comendo a comida certa - Alimentos que ajudam a queimar gorduras

Emagrecer comendo a comida certa!

O Poder Medicinal dos Alimentos que Ajudam a Emagrecer

Sete alimentos que ajudam a queimar gordura

1. FEIJÃO BRANCO

Alimentos que ajudam a queimar gordura
Todos os grãos são ricos em amido resistente, que promove a regularidade intestinal e ajuda a armazenar menos gordura no organismo após uma refeição. Além disso, estimulam um fenômeno conhecido como 'second meal effect' (efeito de segunda refeição), em que o corpo tem a habilidade de manter os níveis de açúcar no sangue equilibrados, o que fará você se sentir mais saciada e comer menos na próxima refeição. E eles também têm poucas calorias. 


2. IOGURTE

Alimentos que ajudam a queimar gordura
Pesquisas sugerem que pessoas que ingerem um iogurte diariamente são mais propensas a perder gordura. Mas fique atenta às calorias e quantidade de gordura dos produtos, prefira sempre os menos calóricos, como o iogurte grego.






3. NOZES

Alimentos que ajudam a queimar gordura
Elas contêm as gorduras essenciais do Ômega 3, que aumentam a ação dos genes de queima de gordura e diminuem a ação dos que produzem gordura. Pesquisas recentes afirmam que eles podem ativar uma proteína que permite que mais energia seja dissipada na forma de calor, aumentando o gasto de energia e a diminuição da gordura armazenada. Apenas 30g de nozes frescas fornecem 260 mg de Ômega 3.

Aprenda on-line como cuidar melhor da sua saúde

4. PEIXES

Alimentos que ajudam a queimar gordura
Peixes como o salmão contêm gorduras saudáveis que farão você se sentir saciada. Eles também diminuem os níveis de leptina, o chamado hormônio da fome.




5. OVOS


Alimentos que ajudam a queimar gordura
Os ovos são boas fontes de vitamina D.  Mulheres que têm deficiência da vitamina no organismo carregam entre 40% e 80% a mais de gordura abdominal. Essa falta da vitamina também pode interromper o equilíbrio da produção de insulina e levar ao aumento dos riscos de desenvolver diabetes do tipo 2.



6. ERVAS E TEMPEROS
Alimentos que ajudam a queimar gordura
A Canela tem propriedades termogênicas que podem aumentar temporariamente a taxa metabólica, enquanto as pimentas contêm um composto chamado capsaicina, que aumenta a temperatura corporal e a frequência cardíaca, acelerando o metabolismo . Estudos revelam que comer uma única refeição picante pode impulsionar o seu metabolismo por até três horas.



7. BRÓCOLIS
Alimentos que ajudam a queimar gordura
A alta concentração de vegetais na dieta está associada com baixos níveis de gordura corporal em todas as faixas etárias. 
O brócolis, principalmente, contém uma grande quantidade de fibras, dá saciedade e tem poucas calorias e gorduras. Ainda está com dúvidas se irá incluí-lo na dieta?




Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!

O Poder Medicinal das Castanhas e Sementes


As castanhas são alimentos altamente nutritivos. As mais conhecidas são amêndoas, nozes, castanha-de-caju, macadâmias e castanha-do-pará.

Estudos indicam que o consumo desses alimentos está associado ao menor risco de desenvolver algumas doenças como:

Também têm sido avaliadas por aumentar e prolongar a sensação de saciedade, o que a torna uma aliada nas dietas de emagrecimento.

Nozes e castanhas também são fontes de gorduras boas,
- fibras e proteínas,
- ricas em vitamina E,
- ácido fólico,
- vitamina B3,
- vitamina B6,
- cálcio,
- magnésio e potássio. 

A castanha-do-brasil (castanha-do-pará), em especial, é rica em selênio (bom para a memória). Outros componentes também são encontrados nas castanhas, como arginina, fitosteróis e compostos fenólicos. Esses nutrientes conferem atividade anti-inflamatória, antioxidante (protetora contra radicais livres) e anti-carcinogênica (prevenção contra câncer).

Para se obter todos os benefícios das nozes e castanhas, é recomendável o consumo diário de porções contendo, no máximo, 2 castanhas-do-brasil, ou 5 nozes, ou 8-12 amêndoas, ou 10 castanhas-de-caju, ou 10 macadâmias por dia.



As sementes são ricas em fibras, vitaminas E, minerais e fitosteróis, e ainda fornecem o óleo vegetal. Algumas delas, como o gergelim, a linhaça e a chia, contêm propriedades anti-inflamatórias e protetoras contra o envelhecimento precoce.

Estão fortemente associadas à proteção do coração e dos vasos sanguíneos devido aos minerais, fibras e fitosteróis em sua composição.

Seu elevado teor de gorduras boas são essenciais ao organismo e é poderoso na ação anti-inflamatória e na proteção da pele. É indicada, aproximadamente, uma colher de sopa de sementes no dia, que podem ser adicionadas a sucos, sopas, sobremesas, etc...
Elas também são importantes após a atividade física, pois tem o poder de moderar os processos inflamatórios e fortalecer o corpo.

Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!


Obesidade - Pessoas Idosas sofrem mais


Adotar uma alimentação saudável pode ajudar a reverter este quadro.

A última pesquisa do Ministério da Saúde, aponta que 50,8% dos brasileiros estão acima do peso ideal. O estudo revela que, apesar da estabilização do índice, os dados mostram que as pessoas têm diversos hábitos alimentares inapropriados.


Uma vez que o número de pessoas idosas não para de crescer no país e já ultrapassa 10% da população total, a obesidade na terceira idade passa a ser preocupante, pois acarreta em aumento da mortalidade e impacto sobre a qualidade de vida dos idosos.


A obesidade é uma doença multifatorial e as consequências no organismo das pessoas com mais de 60 anos são ainda mais graves devido às complicações metabólicas. "O excesso de gordura corporal diminui o desempenho físico pela perda da massa muscular, causa instabilidade da postura, dores nas articulações, acelera o processo de envelhecimento e leva a outras patologias como, diabetes e hipertensão. Além disso, pode acelerar o processo de doenças crônico-degenerativas, como Alzheimer e Parkinson", destaca a nutricionista da Villa Bela Vista Residencial & Saúde, Laura Contin de Sousa.
A especialista explica que após os 60 anos é mais difícil perder peso devido à mudança da composição corporal. "De acordo com um estudo recente, quase 20% dos homens acima de 80 anos sofrem com a obesidade aliada à sarcopenia (diminuição acentuada da massa muscular do idoso). Esses dois fatores contribuem muito para as complicações do dia a dia dessas pessoas, por exemplo, interferindo no sono e na locomoção".
Para Laura, o ideal é que a reeducação alimentar seja feita o quanto antes, uma vez que a dificuldade para aderir ao tratamento é muito maior na terceira idade. "É mais complexo convencer as pessoas dessa faixa etária que a alimentação tem papel fundamental na qualidade de vida e que irá refletir não só na balança, mas também nas questões emocionais, uma vez que, comendo de forma saudável a pessoa fica mais disposta, controla melhor o peso e isso eleva a autoestima". 
Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!
A nutricionista propõe pequenas mudanças no cardápio do idoso com sobrepeso e que os horários das refeições sejam previamente estabelecidos. "Buscar a orientação de um profissional é essencial. O primeiro passo é uma boa avaliação nutricional, conhecer os hábitos alimentares e o histórico de doenças do paciente e só depois um plano alimentar personalizado deverá ser prescrito", completa.

Fonte: Instituto lado a lado pela vida


Dia Internacional de luta pela saúde da mulher

Dia Internacional de luta pela saúde da mulher

O dia 28 de maio é de extrema importância para as mulheres. A data marca duas lutas para a saúde feminina, o Dia Internacional de Luta Pela Saúde da Mulher e o Dia Nacional de Redução da Mortalidade Materna. 

Ambas têm como objetivo chamar a atenção e conscientizar a sociedade dos diversos problemas de saúde e distúrbios comuns na vida das mulheres.
As mulheres já são maioria no Brasil. Segundo o último censo do IBGE, elas representam 51 % da população brasileira. Com o aumento da expectativa de vida delas, é ainda mais importante prestar atenção à saúde nas diferentes fases da vida. Por isso, é fundamental manter os exames preventivos sempre em dia. Saiba quais são eles na matéria do Blog da Saúde (http://www.blog.saude.gov.br/index.php/570-destaques/34632-saude-da-mulher-exames-preventivos)
Esther Vilela, coordenadora de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, comenta a importância de melhorar a assistência para as mulheres em todas as fases da vida, especialmente na gravidez e no puerpério, para reduzir ainda mais a taxa de mortalidade materna. “O trabalho em rede, unindo a atenção básica aos hospitais, com o retorno da mulher no puerpério é fundamental. É preciso acolhê-las com segurança e apoio”, destaca.
A morte materna é o óbito de uma mulher durante a gestação ou até 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou da localização da gravidez. É causada por qualquer fator relacionado ou agravado pela gravidez ou por medidas tomadas em relação a ela. Não é considerada morte materna a que é provocada por fatores acidentais ou incidentais. Hipertensão, hemorragia, as infecções puerperais, as doenças do aparelho circulatório complicadas pela gravidez, parto e puerpério e o aborto são as cinco principais causas de morte materna. 
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil e mais dez países latino-americanos conquistaram avanços significativos na redução de mortes relacionadas à gravidez ou parto de 1990 a 2013. Mundialmente, taxas também estão em queda, embora doenças crônicas e outras condições médicas pré-existentes ainda sejam um problema grave. O Brasil reduziu sua taxa de mortes maternas em 43% desde a década de 90.
Entre os programas instituídos pelo Ministério da Saúde para melhor a atenção durante a gestação está a Rede Cegonha. O programa tem o objetivo de proporcionar saúde, qualidade de vida e bem estar às mulheres durante a gestação, parto, pós-parto e o desenvolvimento da criança até os dois primeiros anos de vida, além de reduzir a mortalidade materna e infantil e garantir os direitos sexuais e reprodutivos de mulheres, homens, jovens e adolescentes. A proposta qualifica os serviços ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no planejamento familiar, na confirmação da gravidez, no pré-natal, no parto e no puerpério. Atualmente a Rede Cegonha desenvolve ações em 5.488 municípios, alcançando 2,6 milhões de gestantes.
Entre as ações do programa está a implantação de Centros de Parto Normal (CPN), onde a mulher é acompanhada por uma enfermeira obstetra ou obstetriz, em um ambiente preparado para que possa exercer as suas escolhas, como se movimentar livremente e ter acesso a métodos não farmacológicos de alívio da dor. Os Centros de Parto Normal funcionam em conjunto com as maternidades para humanizar o parto, oferecendo as gestantes um ambiente mais adequado, privativo e um atendimento centrado na mulher e na família.
A Caderneta da Gestante também é um instrumento fundamental para o cuidado. Nela devem estar registradas as informações de acompanhamento da gestação e deve ser parte essencial do processo de trabalho dos profissionais de saúde, sendo utilizada em todas as consultas do pré-natal. As informações inseridas na caderneta podem apoiar o diálogo entre a equipe de saúde e a gestante na preparação para o parto e a amamentação. Além de esclarecer direitos fundamentais como a Lei do Acompanhante (http://www.blog.saude.gov.br/index.php/570-destaques/34264-dia-dos-pais-a-importancia-do-envolvimento-e-da-presenca-paterna). Conheça a caderneta (http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/caderneta_gestante.pdf)

Erva-Cidreira – O Calmante Natural

o poder medicinal das ervas, plantas e frutas

Acalme-se com a erva-cidreira e aproveite o poder medicinal que esta planta oferece!

Com aroma parecido ao do limão, a erva-cidreira é uma planta que oferece diversas propriedades medicinais e um sabor muito apreciado.



Também conhecida como melissa, tem sua origem no sul da Europa, mas já se espalhou pelo mundo e tem inúmeros fãs no Brasil. Afinal, velho conhecido dos lares por aqui, o chá de erva-cidreira, ou simplesmente cidreira, é sempre lembrado como calmante natural.

Mas este não é o único benefício desta planta, que erroneamente é muito confundida com o capim-limão. Veja no post que escrevi sobre capim-limão ou capim-santo que se tratam de ervas diferentes.

Confira os benefícios e usos da erva-cidreira

Digestiva, analgésica, calmante... essas são algumas das principais propriedades medicinais da erva-cidreira, que é preparada principalmente em forma de chá (abaixo algumas aplicações), é também usada externamente em forma de óleo ou essência.
Suas principais indicações são:
  • poderoso calmante, age contra a insônia e a ansiedade
  • eficaz no tratamento de problemas no estômago e do intestino
  • regula o sistema nervoso (por agir como calmante)
  • restaurar o fluxo menstrual
  • age contra a falta de apetite
  • ajuda no combate a hipertensão
  • combate cólicas hepáticas
  • atenua palpitações no coração
  • age no combate a gripes e resfriados, acalmando os sintomas da tosse.
Tempero muito gostoso
Na culinária, seu uso também é frequente por se constituir em um saboroso condimento. Essa erva confere um sabor especial às carnes e suas folhas são usadas ainda em sopas e bebidas com frutas.


Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!
Principais formas de uso


Chá para aliviar a ansiedade
Coloque 1 colher de sobremesa de folhas e ramos bem picados de erva-cidreira em uma xícara de água fervente. Abafe por cerca de 5 minutos e coe. Adoce com mel e beba ainda morno. Repita até no máximo 3 vezes por dia.

Chá contra enxaqueca
Ferva 1 litro de água com 20g de folhas frescas de erva-cidreira. Desligue o fogo e tampe por 10 minutos. Coe e tome até 5 xícaras de chá por dia, adoçado com mel.

No uso externo, funciona bem nos tratamentos de dores reumáticas, feridas e herpes simples.

Óleo analgésico
A essência, a tintura e o óleo de erva-cidreira (encontradas em lojas e farmácias especializadas), podem ser usadas externamente com objetivos analgésicos como, por exemplo, contra dores de ouvido ou da cabeça que sejam desencadeadas por nervosismo ou pela ansiedade.

Importante: mulheres grávidas devem evitar o consumo de erva-cidreira, que tem propriedades abortivas.


Colesterol - O que fazer para reduzir?



o poder medicinal das ervas, plantas e frutas

O que significa ter níveis altos de LDL colesterol?

Ter níveis altos de LDL, conhecido como “colesterol ruim”, é um importante fator de risco para doenças cardíacas. A boa notícia é que, diferente dos outros fatores de risco, você pode prevenir os altos níveis de LDL ou reduzi-los caso eles já estejam altos.

Como devo manter meus níveis de LDL colesterol?


O objetivo da redução dos níveis de LDL colesterol depende de outros fatores de risco para doenças cardiovasculares, como diabetes mellitus, obesidade, história de doença coronariana prévia, história de doença cardíaca precoce em parentes próximos, tabagismo, sedentarismo, hipertensão arterial, níveis reduzidos de HDL colesterol. 

Caso você não tenha doenças coronarianas ou diabetes mellitus ou apresenta um ou nenhum fator de risco, seu objetivo é manter o LDL abaixo de 160 mg/dL. 

Caso você não tenha doenças coronarianas ou diabetes mellitus ou apresenta dois ou mais fatores de risco, seu objetivo é manter o LDL abaixo de 130 mg/dL

Caso você tenha doenças coronarianas ou diabetes mellitus, seu objetivo é manter o LDL abaixo de 100mg/dL. 

Os medicamentos disponíveis reduzem o LDL colesterol?

Embora já existam medicações para reduzir os níveis de LDL, os médicos podem optar por orientar mudanças no estilo de vida de seus pacientes que colaboram para o controle deste tipo de colesterol.

Quais são estas mudanças?

Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!

Perda de peso e dieta saudável

Um índice de massa corporal (IMC) elevado não apenas é um fator de risco isolado para doenças do coração e outras complicações como também está relacionado ao aumento dos níveis de LDL colesterol. As pesquisas mostram que perder cerca de 5 a 10% do peso corporal ajuda a reduzir os níveis de LDL.

Embora os estudos tenham mostrado que perder peso reduz os níveis de LDL, eles também comprovaram que ter uma dieta que inclua diferentes tipos de alimentos também é válido. Alimentos pobres em gorduras saturadas e ricos em fibras solúveis ajudam a diminuir os níveis de LDL.

A perda de peso e o tipo de dieta podem colaborar com uma redução de 20% dos níveis de LDL.

Outras pesquisas de longo prazo são necessárias para determinar se é a perda de peso realmente, ou as mudanças na dieta e a prática de atividades físicas que vêm junto com ela, que reduzem os níveis de LDL. (Alguns estudos indicam que os níveis de LDL retornam aos níveis originais mesmo com a manutenção da perda de peso corporal).


Atividade física regular
Os exercícios físicos regulares ajudam na perda de peso e na redução dos níveis de colesterol. Exercícios aeróbicos como corridas, ciclismo, caminhadas em ritmo acelerado e natação parecem ajudar na redução dos níveis de colesterol, principalmente por reduzir cerca de 5 a 10% dos níveis de LDL colesterol. Outras formas de exercícios como yoga, caminhadas em ritmo lento e musculação também ajudam a reduzir o LDL, mas estas formas de exercícios não foram tão bem estudadas quanto os exercícios aeróbicos.

Parar de fumar
Abandonar o cigarro causa um impacto positivo tanto nos níveis de LDL, quanto nos níveis de HDL, ou “colesterol bom”. O hábito de fumar está associado a altos níveis de colesterol assim como a formação de placasateroscleróticas pela formação de um tipo específico de LDL, o LDL oxidado, que é uma forma de colesterol que contribui para a progressão das placas ateroscleróticas nos vasos sanguíneos.
Alguns estudos já mostraram que parar de fumar pode reduzir o LDL em cerca de 5%. Pesquisadores também demonstraram que os níveis de colesterol, assim como a forma de colesterol oxidado, diminuem logo que um indivíduo para de fumar.

Consumo moderado de álcool
O consumo moderado de álcool pode aumentar os níveis de HDL colesterol e reduzir os níveis de LDL colesterol. Consumo moderado significa um drink ao dia para mulheres e um ou dois drinks ao dia para homens. Mas consumir além desta quantidade pode ser prejudicial para a saúde. Os estudos já mostraram que consumir mais de três drinks ao dia pode aumentar as chances de ter doenças cardiovasculares e outros tipos de patologias.


Quais são os alimentos que devem ser consumidos e quais alimentos devem ser evitados

Utilize o poder medicinal das ervas, plantas e frutas para ajudar no controle do colesterol. 
  • Aumentar a ingestão de frutas (2 a 4 porções ao dia) e vegetais (3 a 5 porções ao dia). 
  • Acrescentar cereais integrais à dieta. 
  • Evitar gorduras saturadas, gorduras trans e produtos lácteos integrais (dar preferências aos produtos lácteos desnatados em 2 ou 3 porções diárias). 
  • Evitar frituras. 
  • Chá verde é um excelente aliado.
  • Preferir os queijos brancos aos amarelos. 
  • Preferir carnes magras ou soja às carnes vermelhas. 
  • Evitar as farinhas brancas, usar pães e massas integrais (6 porções ao dia, ajustando as necessidades calóricas). 
  • Usar azeite de oliva extra-virgem sem aquecer (cuidado com os exageros, pois ele é rico em calorias) 
Fonte: abc.med.br

Sedentarismo - A doença do século


Sedentarismo - fuja desta estatística


Sedentarismo - A doença do século

Sedentarismo é definido como a falta, ausência ou diminuição de atividades físicas ou esportivas.

Considerada como a doença do século, está associada ao comportamento cotidiano decorrente dos confortos da vida moderna.


Pessoas que tem um gasto calórico reduzido semanalmente pela ausência da prática esportiva são consideradas sedentárias ou com hábitos sedentários.
Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), é classificado como sedentário aquele que não realiza nenhuma atividade física por pelo menos 10 minutos contínuos na semana.
Esse comportamento, somado a hábitos alimentares não saudáveis, pode ser responsável pelo surgimento de diversas doenças crônicas, como obesidade, hipertensão arterial, diabetes (tipo 2), aumento do colesterol ruim e consequentemente doenças cardíacas.
A prática de exercícios físicos bem como a adoção de um estilo de vida mais ativo proporciona ao organismo uma série de adaptações positivas aos diversos sistemas: metabólico, cardiorrespiratório, musculoesquelético e osteoarticular, promovendo saúde e, por conseqüência, melhorando a qualidade de vida.
Veja alguns passos que vão ajudar você a sair do sedentarismo e ter uma vida mais ativa e saudável.
Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!

1° passo:
 Faça uma avaliação física (teste de flexibilidade, força muscular, composição corporal e teste ergométrico - avalia o esforço do coração em condições de estresse). Esse passo é importante para avaliar sua condição física atual e ajudará a traçar as metas pessoais.


2° passo: 
Estabeleça metas realistas, alcançáveis e mensuráveis a curto (1 a 3 meses), médio (4 a 7 meses) e longo prazo (1 a 2 anos). Atingir e perceber os benefícios associado à atividade física é a forma mais motivadora de manter as mudanças.
3° passo:
 Escolha um exercício de sua preferência, mesmo que musculação, caminhada e corrida sejam os mais comuns, talvez o mais prazeroso para você seja pilates, yoga, badminton ou dança de salão. Isso varia de indivíduo para indivíduo. Escolha a atividade que você mais gosta.
4° passo:
 Comece no seu ritmo. Se você não está acostumado a se exercitar, deve começar a atividade física aos poucos, com uma intensidade leve e respeitando os limites do corpo. Isso vai ajudar a evitar lesões e diminuirá as chances de se sentir desestimulado.
5° passo: 
Não desista dos novos hábitos, pois é normal que imprevistos do dia a dia o impeça de cumprir com os objetivos estabelecidos. Diversos estudos comprovam que o número de desistência dos novos hábitos antes dos 3 meses é muito maior do que a manutenção dos mesmos. Portanto, nunca desista na primeira barreira! Tente quantas vezes forem necessárias! Quando começar a sentir os benefícios físicos, cardiovasculares e mentais proporcionados pela atividade física, perceberá que todo aquele esforço valeu a pena.
Bons treinos!


Atividade física na prevenção e tratamento do câncer

 Atividade física na prevenção e tratamento do câncer

A atividade física atua como fator preventivo e de tratamento para diversas doenças, fato que não é diferente quando se fala do oncológico.

Na prevenção, os benefícios estão relacionados ao controle de fatores que favorecem o desenvolvimento de câncer, uma vez que 25% dos diagnósticos são causados pelo sobrepeso, obesidade e sedentarismo, englobando ainda fatores ambientais como 70 a 80% das causas.

Sabe-se que a obesidade aumenta o risco em desenvolver câncer de mama no pós- menopausa, cólon e reto, esôfago, fígado, bexiga, pâncreas, rim e útero. Assim, com a prática regular de atividade física associada a baixos níveis de gordura, o ambiente metabólico fica menos favorável ao desenvolvimento de neoplasias devido às baixas concentrações de triglicerídeos e de insulina (que estimula o crescimento celular).



 Há pesquisas que mostram que indivíduos obesos com síndrome metabólica apresentam um risco aumentado em desenvolver câncer. Levando em consideração outros benéficos da atividade física, como, por exemplo, a melhora do trânsito intestinal, pesquisas indicam que homens fisicamente ativos apresentam uma redução de 30 a 40% do risco de câncer de cólon, uma vez que ela gera um aumento do peristaltismo colônico, diminuindo tempo de trânsito intestinal.
Infelizmente as pessoas que recebem o diagnóstico tendem a diminuir o nível de atividade física durante o tratamento. É importante que os pacientes mantenham alimentação saudável e exercício físico regular como parte do tratamento. Câncer em estágio avançado é acompanhado por perda de peso e massa muscular, gordura, gerando fraqueza, algumas vezes anemia, devido à ação das citocinas, que podem ser produzidas pelo próprio tumor.
Com isso, a atividade física é capaz de conservar a massa muscular mesmo com o tumor competindo com o organismo por nutrientes, normaliza hormônios (como a insulina e T3), reduz a concentração de cortisol, melhora a resposta imunológica, auxiliando o organismo no combate à neoplasia e à caquexia tumoral, controle da fadiga e de outros possíveis efeitos adversos do tratamento, diminuindo taxas de complicações cardíacas, auxiliando na recuperação pós- operatória, melhorando a capacidade cardiorrespiratória e ajudando na restauração do membro operado.
Apesar destas vantagens, não podemos deixar de lado os cuidados a serem tomados. Durante o tratamento de quimioterapia, os exercícios físicos não podem ser praticados se o paciente estiver com anemia severa, uma vez que o sistema cardiovascular não está preparado para se adaptar à maior demanda de oxigênio; e pacientes com cateter externo de longa permanência não devem fazer exercícios em água pelo risco de infecção, nem exercícios resistidos na musculatura local pelo risco de deslocamento. Os pacientes em tratamento de radioterapia devem evitar exercícios em piscinas com cloro, já que a pele do local tratado pode se ressentir.
A recomendação é que pacientes com diagnóstico de câncer realizem exercícios em intensidade moderada, com duração de 30 a 60 minutos, podendo realizar tanto os com características aeróbias, quanto para fortalecimento e hipertrofia. Os exercícios devem ser individualizados de acordo com as habilidades e condições do paciente.

Fonte: Hospital Albert Einstein
einstein.br

6 Alimentos super protetores da saúde



 Alimentos supersaudáveis



Conheçam o poder medicinal de 6 dos melhores alimentos para se evitar e tratar doenças cardíacas, câncer, dores de cabeça e outros males


1 Figo:
 6 Alimentos super protetores da saúde
 Rara fonte de cálcio em frutas, os figos ajudam a evitar a perda óssea associada ao envelhecimento. Também são ricos em fibras, o que pode reduzir o risco de câncer de cólon, mama e próstata. Coma assim: Fatie figos frescos e sirva com requeijão e pistache; misture figos secos com nozes e castanhas; ou use pasta de figo sem açúcar para cobrir lombinho assado.


 2 Cranberry (oxicoco):
 6 Alimentos super protetores da saúde
 Claro, essas frutinhas azedas são estrelas no tratamento de infecções do trato urinário, mas também podem prevenir a doença cardíaca. Elas são ricas em antocianinas, flavonoides e proantocianidinas, substâncias químicas vegetais que impedem o colesterol LDL de se oxidar e grudar nas paredes das artérias. Coma assim: Faça geleia de cranberry cozinhando as frutinhas com suco de laranja e açúcar; ou misture com banana, abacaxi e laranja numa salada de frutas; acrescente cranberries secos à massa de bolos.


 3 Bagaço de laranja e tangerina: 
 6 Alimentos super protetores da saúde
Você já sabe que laranjas e tangerinas são ótimas fontes de vitamina C, mas coma também o máximo possível do mesocarpo, casca branca ou bagaço – a camada branca e esponjosa entre a casca e a polpa que fica na laranja descascada. Embora amargo, o bagaço contém boa quantidade de fibras e antioxidantes. Coma assim: Substitua as rodelas de abacaxi que forram a fôrma no bolo de abacaxi por fatias de laranja descascada; refogue gomos de tangerina com açúcar mascavo e canela. 


 4 Ovos:
 6 Alimentos super protetores da saúde
 Essa fonte de energia é cheia de benefícios à saúde: o zinco e o ferro promovem cabelo saudável e unhas fortes, e a lecitina da gema é rica em colina, que ajuda a reparar danos neurológicos e elimina o colesterol da corrente sanguínea. Coma assim: Incremente ovos mexidos com ervas frescas e um pouquinho de cream cheese; cubra uma torrada de pão de linhaça com cogumelos, verduras, tomate e um ovo escaldado.


Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!

 5 Mostarda: 
Pense além do cachorro-quente. A mostarda é boa fonte de selênio, que ajuda a proteger do câncer, a prevenir a doença cardiovascular, a defender as células contra os radicais livres prejudiciais e a estimular o sistema imunológico (que tempero poderoso!). Além disso, o manganês da mostarda ajuda a aliviar os sintomas da TPM. Coma assim: Sirva legumes grelhados com molho de mostarda e mel; misture mostarda, azeite e vinagre para o molho da salada; adicione algumas colheres ao refogado para obter um sabor diferenciado.


 6 Pimenta: 
 6 Alimentos super protetores da saúde
A capsaicina, fonte do ardor dessas pequenas fogosas, ajuda a evitar os coágulos sanguíneos que provocam infartos e AVCs (acidentes vasculares cerebrais). Além disso, comer pimenta pode aliviar temporariamente a congestão nasal e a sinusite – e até acelerar temporariamente o metabolismo! Coma assim: Adicione um sabor picante ao ensopado de carne com metade de uma pimenta-malagueta; faça uma combinação doce, picante e fresca temperando pedaços de melão com pimenta moída e açúcar. 



Diabetes - Frutas protegem, mas sucos elevam risco da doença

Diabetes - Frutas protegem, mas sucos elevam risco da doença

Frutas protegem contra diabetes, mas sucos elevam risco da doença

As frutas são ricas fontes de nutrientes benéficos à saúde, e seu consumo regular tem mostrado proteção contra o desenvolvimento de diabetes, bem como alguns tipos de cânceres, doenças cardiovasculares e até catarata.


Na correria do dia-a-dia o consumo das frutas muitas vezes é substituído por sucos de frutas, mais rápidos e práticos. No entanto, um estudo recente publicado na revista British Medical Journal mostrou que o consumo diário de suco de frutas (um ou mais copos) pode elevar em até 21% o desenvolvimento do diabetes do tipo 2



Esse mecanismo pode ser explicado pelo fato do suco de fruta oferecer quantidade reduzida de fibras, que contribuem em tornar mais lenta a absorção dos açúcares no trato gastrointestinal. 

Um ou mais copos de suco concentrados pode oferecer uma carga alta de carboidratos, além de estimular o pâncreas para produzir o hormônio insulina. Esse estímulo contínuo pode sobrecarregar o órgão e, em longo prazo, somado a hábitos alimentares errôneos e sedentarismo, resultar no quadro de diabetes. 
O que não ocorre com o consumo de frutas in natura, que oferecem fibras solúveis e insolúveis, tanto na polpa como na casca, favorecendo o bom controle glicêmico. No entanto, não é preciso radicalizar e eliminar o suco do cardápio.
Seguem algumas sugestões para aumentar o conteúdo de fibras e/ou reduzir a carga glicêmica, e, consequentemente, tornar mais lenta a absorção dos açúcares:
  • Acrescentar folhas verdes (couve, agrião);
  • Incluir farinha de linhaça, farinha de aveia ou chia no suco;
  • Diluir o suco em água (ex: uma laranja diluída em 150 ml de água mineral), resultando na laranjada;

Receita de suco

Ingredientes:
  • 1 folha de couve / espinafres
  • 1 colher de café de linhaça
  • 1 maça verde
  • 150 ml de água mineral
  • 1 pedra de gelo
  • 1 colher de chá de mel para adoçar
Modo de fazer: bater todos os ingredientes no liquidificador.
Parecer das nutricionistas:
Suco de frutas rico em fitoquímicos e antioxidantes, protegendo o organismo da ação dos radicais livres. A maçã é rica em fibras solúveis, favorecendo o bom controle da glicemia. A linhaça fornece fibras e o ácido graxo ômega-3, função antioxidante. A couve é carregada de nutrientes: cálcio, vitamina A, luteína e fibras, protegendo o organismo e contribuindo na lentificação da absorção dos carboidratos do suco.

Como perder peso sem precisar passar fome

o poder medicinal das plantas, ervas e frutas

Perder peso requer muito suor e disciplina, mas, mesmo quando você não está na academia treinando, há uma série de maneiras mais simples de reduzir o seu peso.

Estes 10 truques diários irão te ajudar a perder peso sem que haja a necessidade de fazer dietas malucas ou alterar drasticamente sua rotina alimentar. Confira!

1. Sempre inicie uma refeição bebendo um copo de água: a água ajuda a hidratar e colabora para a sensação de saciedade, fazendo com que você coma menos nas refeições.

2. Faça algumas trocas simples em cada refeição: troque os molhos industrializados para saladas, por temperos simples, como sal, pimenta e azeite; faça a opção por frutas frescas em vez de secas. Trocas simples de ingredientes e alimentos podem diminuir o consumo de calorias.

3. Coma um pedaço de chocolate amargo na sobremesa: um pedaço de chocolate amargo acelera seu metabolismo e, consequentemente, faz com que você queime mais calorias. Além disso, o chocolate acalma seu desejo por doces após uma refeição.

4. Movimente-se mais: fazer pausas para caminhar ao redor do escritório, optar pelas escadas em vez da escada rolante e estacionar um pouco mais distante da entrada do escritório ou supermercado são maneiras simples para se mover um pouco mais durante o dia.

5. Não fique com fome por muito tempo: um pouco de fome pode ser bom para você, mas morrer de fome durante todo o dia, pode sabotar a perda de peso saudável.

Aprenda a cuidar melhor da sua saúde - curso online de nutrição - conheça aqui e comece já!  Contra a recessão, invista na sua educação.

6. Consuma alimentos ricos em proteínas e fibras: os alimentos ricos em fibras e proteínas magras são apostas seguras para quem deseja perder peso – feijão, lentilha, noz, batata com a pele, pipoca e laranja irão controlar sua fome.

7. Atenção para as bebidas: as calorias de um refrigerante, o suco de caixinha no café da manhã, ou um grande copo de vinho no jantar podem realmente adicionar calorias extras a sua rotina alimentar. Atenha-se água aromatizada com ingredientes frescos, como pepino, limão, ou hortelã, a fim de economizar em calorias importantes.

8. Jantar: faça um jantar com cerca de 25% das suas calorias diárias, e o consuma pelo menos duas a três horas antes de ir dormir. Comer tarde demais pode causar problemas de digestão e do sono que tornam difícil manter uma rotina saudável.

9. Dormir mais: pesquisadores descobriram que há uma ligação forte entre o metabolismo e o sono, sendo que, uma noite mal dormida, pode retardar seriamente o metabolismo.


10. Coma nozes: um estudo realizado pela Universidade de Harvard, EUA, revelou que as nozes são um super alimento para perda de peso e mostrou que pessoas que comem nozes, tendem a ser mais magras do que aquelas que não a comem.


Topo